Pesquisar neste blogue

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Entrevista a Fábio Ventura

Esta é a 1ª entrevista dentro deste molde, mais se seguirão.
O objetivo é que a partir desta entrevista façam vocês as vossas perguntas. 
Para submeter perguntas ao Fábio enviem um e-mail para d311nh4@gmail.com e no assunto Entrevista a Fábio Ventura.
Ao atingirmos as 10 perguntas, sai a 2ª entrevista.
Que tal?
Agrada-vos?

 1. Fala-nos um pouco sobre ti.
Sou apenas alguém que gosta de criar histórias e que gosta de partilhá-las com os outros. Por outro lado, também adoro uma boa história, daquelas que são capazes de nos transportar para outros mundos.

2. Agora sobre os teus livros.
Os dois "Orbias" falam da questão dos mundos paralelos, de outras realidades que sempre se especulou que poderiam existir. É uma história repleta de fantasia onde tentei adicionar o máximo de "ingredientes" possível para tornar a experiência do leitor mais enriquecedora (romance, humor, drama, suspense, etc.). No fundo, o mundo paralelo de Orbias funciona como uma metáfora da necessidade de escape que todos nós temos. Toda a sua beleza natural, cenários idílicos e magia, embora escondam um lado negro, funcionam como uma fuga perfeita à dura realidade da nossa Terra. E é nesse sentido que há uma aproximação entre o leitor e a personagem principal, Noemi. Ambos descobrem o novo mundo ao mesmo tempo.

3. De onde surgiu a idéia para esta história?
Houve três elementos que estiveram na origem da criação da história. A ideia dos mundos paralelos e secretos sempre me fascinou. Já o vimos nas "Crónicas de Narnia", em "Alice no País das Maravilhas", entre outros. Por isso, sabia que iria pegar nesse elemento. Por considerar que o género fantástico português carecia de um lado mais moderno e urbano, decidi apostar mais em elementos de fantasia urbana. Por último, quis dar mais protagnismo a um grupo de personagens femininas. A partir desses três elementos, a história foi nascendo e crescendo até escrever a última frase do primeiro livro.

4. Já tens projetos futuros? Pretendes manter o mesmo género? Podes dar-nos uma luz do que virá?
Neste momento, há um terceiro livro na editora que ainda está dependente de uma decisão. Será algo novo, diferente dos dois Orbias, embora tenha mantido o meu estilo. Afastei-me um pouco do Fantástico, embora esta nova obra ainda tenha uma forte presença do sobrenatural e do surreal. Tirando esse novo livro, estou a preparar-me para escrever dois contos e tenho em mãos um projecto online que ainda está numa fase muito embrionária.

5. O que pensas da literatura portuguesa? Costumas ler? Achas importante apostar no que é nacional?
Na minha opinião de leitor e autor, penso que a literatura portuguesa sofreu uma grande transformação nos últimos tempos. Surgiram grandes nomes da literatura que elevaram o nome de Portugal no estrangeiro e noto que os leitores portugueses compram cada vez mais os seus livros. Houve um grande conjunto de factores que abriram as portas a novos autores portugueses, tanto de autores mais literários como autores mais comerciais, e isso perimitiu estimular o mercado dos livros. É muito importante estimular o que é nacional, obviamente. Temos uma cultura muito rica e um potencial enorme. Não havia necessidade de importar tantos autores estrangeiros, o melhor seria investir mais nos nacionais e exportá-los.

 6. Autores que te inspiram:
"Inspirar" é uma palavra muito forte. Inconscientemente, posso ser influenciado pelos meus autores favoritos, mas tento que essa influência seja mínima. O Haruki Murakami é, neste momento, o autor que mais me fascina. Neil Gaiman é uma referência para mim, bem como o Scott Westerfeld, Cassandra Clare, JK Rowling. A nível de autores clássicos, não posso deixar de referir os nomes de Lewis Carrol e George Orwell. Relativamente a autores portugueses, sem dúvida alguma que é o Afonso Cruz.

7. Livros:
"Kafka à beira-mar", de Haruki Murakami, "Deuses Americanos", de Neil Gaiman, "1984" de George Orwell, "O Livro das Coisas Perdidas", de John Connoly, "Os Livros que devoraram o meu pai", de Afonso Cruz, entre muitos outros que não me tocaram tanto como estes. Também não posso deixar de referir a saga do "Harry Potter". Foi graças ao pequeno feiticeiro que percebi o quão maravilhosa era a leitura.


8. Filmes:
"Gosto bastante do Eduardo Maos de Tesoura, Estranho Mundo de Jack, A Noiva Cadaver, A Viagem de Chihiro, O Castelo Andante. Sou um grande fã de Tim Burton e de Hayo Miyazaki. Mas diria que o meu filme preferido é mesmo O Fabuloso Destino de Amélie. De todas as vezes que o vejo, diz-me sempre coisas diferentes"

9. Apelos ou agradecimentos que queiras deixar:
Sem tentar parecer lamechas ou cliché, não podia deixar de agradecer aos meus fantástico e fiéis leitores. Se consegui alcançar algum sucesso e popularidade e se posso falar de um universo Orbias, foi graças à sua dedicação e entusiasmo. Obviamente que os bloggers também foram muito importantes neste processo. Foram uma preciosa ajuda na divulgação dos meus livros. Um muito obrigado a todos eles também.

10. O que achas do blog d311nh4?
Penso que é um blog literário muito dinâmico e activo e com um importante trabalho de divulgação da literatura, portuguesa e estrangeira. Tem um grande potencial de crescimento e só consigo prever sucesso para o blog. 



Clique nas capas para ver as opiniões no blog!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue