Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Oliver Twist - Charles Dickens

Adicionar legenda
SINOPSE: Obra maior de Charles Dickens, Oliver Twist destaca-se pelo seu realismo, retratando pela primeira vez a rudez dos gangs londrinos, até então descritos com glamour e romantismo. Realça a vida de escravatura das crianças de rua e um submundo paralelo ao mundo imperial da Grã-Bretanha.
Ladrões, assassinos, mentes perversas, prostitutas, a dureza da vida na sarjeta num mundo sem esperança povoam o universo de Oliver Twist, o órfão que personifica a resistência ao sofrimento à corrupção e à luta pela vida que faz dele um verdadeiro sobrevivente. Diversas vezes adaptado ao cinema e à televisão, Oliver Twist tem agora uma nova versão cinematográfica pela mão do mestre Roman Polanski.

OPINIÃO: Como ficar indiferente a uma obra destas? É impossível... Um clássico é um clássico. A afirmação parece cliché, mas não há nada mais verdadeiro do que isto.
O realismo patente neste romance e a crueldade impingida às crianças forma um nó na garganta que nos acompanha quase até ao fim.
A má sorte de Oliver deu-se a partir do seu nascimento. Entregue a um mundo frio, sem respeito pelos pobres logo, pelos órfãos, ele vê-se confrontado com inúmeras situações degradantes ao espírito humano. É muito tardia a hora em que vemos a criança a ser tratada como um ser humano e mesmo aí, a sua vida sofre oscilações repentinas.
A obra tem o nome Oliver Twist, mas não nos deixemos enganar. A proeza deste romance está na construção dos "bandidos". A frieza, a ganância, a necessidade elevada ao grau máximo e a falta de moralidade criada a partir das experiências de repulsão em vida, fazem de Fagin e de Sikes a mestria de Dickens.
Para além destes dois, tenho de mencionar o Trapaceiro. Tive pena de não ter visto mais deste jovem Astucioso.
Os três ladrões funcionam de uma forma hierárquica de maldade. Num grau muito escasso de malvadez temos o Trapaceiro, que é levado pela esperteza que o caracteriza a sobreviver numa Londres impiedosa. Fagin é uma raposa. O espírito do judeu é bordado a ouro e nada mais importa; é o retrato fidedigno do pecado da avareza.
Sikes é o diabo na terra. A sua incapacidade de amar, de demonstrar afeto, de ser, até, miseravelmente amável é o que faz dele a escuridão na vida de Oliver. É humano porém, aterrorizante.
O fatalismo está presente, assim como o realismo na quebra das expetativas finais. Apesar de o destino cair com força sobre quem merece, nada é um mar de rosas e há inocentes que pagam pelos erros dos outros, assim como na vida.
Tornou-se um dos meus livros preferidos de sempre. É obrigatório!

1 comentário:

  1. Adoro!
    A versão que eu tenho é tão antiga que é de capa dura, folhas amarelas quase castanhas e com erros ortográficos, mas eu nem quero saber.
    Dickens é um dos meus escritores favoritos e esta é a sua obra que mais vezes leio... :P

    Adorei este livro, as personagens, as descrições em coerência com a época e as ideias que ainda mantemos... Enfim, o livro é muito bom. Qualquer pessoa deveria ler, pois, tal como foi dito: "Um clássico é um clássico".

    ResponderEliminar

Arquivo do blogue