Pesquisar neste blogue

terça-feira, 14 de junho de 2011

Feitiços - Aprilynne Pike

SINOPSE: Seis meses após ter salvaguardado a terra onde se encontra o portal de Avalon, Laurel tem de regressar ao reino das fadas para passar o Verão, a fim de aperfeiçoar as suas habilidades como fada do Outono. Contudo, a família e os amigos ainda se encontram em risco – e a entrada para Avalon está em perigo, agora mais do que nunca.

No momento em que impreterivelmente tem de proteger aqueles que ama, Laurel tem de aliar os seus dotes feéricos ao que há de humano em si para conseguir combater o inimigo. Nesta batalha, irá Laurel pedir ajuda a David, o seu namorado humano? Ou recorrerá ao magnetizante Tamani, por quem sente uma atracção irresistível? E será o coração de Laurel feérico, ou já demasiado humano? 

OPINIÃO: Agora sim esta história satisfaz!
Com uma criação de uma hierarquia de classes segundo as estações que nasceram, as fadas de Pike vão para além das "plantas" do 1º volume. Sendo uma fada de Outono, Laurel vê-se confrontada com uma submissão indesejada no tempo que passa em Avalon, sobretudo por parte de Tamani que ocupa um lugar no coração dela.
É interessante ver até que ponto  sociedade de Avalon se identifica com a sociedade há muito extinta medieval onde um Rei/Rainha governa e os restantes subditos se dividem por classes mais ou menos privilegiadas consoante os poderes que adquiriram à nascença. Os poderes de Laurel não são os mais interessantes mas fico grata por ela ser uma personagem dita normal, isto é, não é da condição superior, mas sim da segunda. Fico ansiosa por saber mais das fadas de Inverno e até onde chegam os seus poderes.
O triângulo amoroso criou raízes para agarrar um leitor e apesar de Laurel parecer decidida quanto ao rumo que a sua vida amorosa vai levar, não está assim tão certa, as oscilações são imensas.
No final do enredo percebe-se que a história adensa-se e que os problemas de Laurel são mais do que meia dúzia de trolls vingativos. Também Tamani parece ter uma missão.
Vou esperar para ver.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue