Próximos

Andreia's to-read book montage

O Principezinho
O Despertar das Trevas
A Breve Segunda Vida de Bree Tanner
Paris, 1850
México, 1850 (O Crepúsculo dos Vampiros, #3)
A Praga
O Assassinato de Roger Ackroyd
O Beijo das Sombras
Sangue de Anjo
Damon, Almas Sombrias
Crescendo
Paranormalidade
Orgulho e Preconceito
Queimada
Senhores da Noite
Reunião Sangrenta
O Décimo Terceiro Poder
O Abismo
O Vampiro
Bruxa e Detetive


Andreia's favorite books »
}

Pesquisar neste blogue

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Brida - Paulo Coelho

SINOPSE:

Pura e simplesmente a história de Brida – uma jovem irlandesa de 21 anos que queria ser bruxa... e conseguiu. Brida orienta-se pelas cartas do tarot, aprende a Tradição do Sol com um mago que vive isolado numa floresta e a Tradição da Lua com Wicca, uma bruxa poderosa que mora numa moder-níssima casa. É sagrada bruxa num sabbat – mas não sem antes conhecer o amor na sua for-ma mais plena e de ter “regressado” a uma vivência medieval, plena de amor e de espiritualidade.

OPINIÃO:

São muitos os clamores que se fazem a Paulo Coelho mas nunca são suficientes para descrever o poder que as suas obras pregam aos leitores. Ele não se limita a escrever ficção, a narrar histórias, ele ensina a viver e a reflectir sobre assuntos que caíram em desagrado no século XXI, como por exemplo Bruxas.

"Brida" conta a história de uma jovem curiosa que corre em busca do conhecimento espiritual. O seu objectivo é compreender a religião Wicca. Contudo essa busca transforma a personagem que no caminho descobre o poder libertador dos elementos e o significado do verdadeiro amor; desmitifica o conceito de "alma-gémea".
A espiritualidade e a magia são transportados, nas obras de Paulo Coelho, para um patamar muito elevado ao qual ninguém consegue ficar indiferente, ou desdenhar esses conceitos, por mais céptico que o leitor seja. Pois, o autor descreve sentimentos como o amor e a alma como nenhum outro consegue.
Ao ler "Brida" aprendi a respeitar esta cultura (Wicca) tão antiga como o próprio Sol ou a Lua e a admirar quem tem coragem para viver segundo estes rituais, que apesar de não ferirem fisicamente os participantes, ferem a susceptibilidade da sociedade, cuja visão é obstruída por "duas talas".
Aconselho vivamente este autor que escreve na língua portuguesa(Português do Brasil) e é merecedor de todos os aplausos que lhe quiserem saudar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue