Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 3 de maio de 2012

O dardo de Kushiel - Jacqueline Carey

SINOPSE: TERRE D’ANGE é um lugar de beleza sem igual. Diz-se que os anjos deram com a terra e a acharam boa… e que a raça resultante do amor

entre anjos e humanos se rege por uma simples regra: ama à tua vontade.
Phèdre é uma jovem nascida com uma marca escarlate no olho esquerdo.
Vendida para a servidão em criança, é comprada por Delaunay, um fidalgo com uma missão muito especial… Foi, também ele, o primeiro a
reconhece-la como a eleita de Kushiel, para toda a vida experimentar a dor e o prazer como uma coisa só.
Phèdre é adestrada nas artes palacianas e de alcova, mas, acima de tudo, na habilidade de observar, recordar e analisar. Espia talentosa e cortesã
irresistível, Phèdre tropeça numa trama que ameaça os próprios alicerces da sua pátria. A traição põe-na no caminho; o amor e a honra instigam-na a ir mais longe. Mas a crueldade do destino vai levá-la ao limite do desespero… e para além dele. Amiga odiosa, inimiga amorosa, assassina bem-amada; todas elas podem usar a mesma máscara reluzente neste
mundo, e Phèdre apenas terá uma oportunidade de salvar tudo o que lhe é mais querido.


OPINIÃO: Já tem sido habitual a Saída de Emergência nos habituar a obras de fantasia escritas com elevada mestria.
O primeiro volume da original trilogia de Kushiel não foge, de todo, ao parâmetro de qualidade estabelecido. Com efeito, reforço dizendo que este livro eleva as expetativas a nível da tecnicidade implementada.
Com isto enfatizo o vocabulário floreado que remete o leitor a uma leitura atenta e minuciosa. 
O léxico é rico e aí também se deve dar o mérito ao tradutor pelo excelente trabalho.
O desenvolvimento da história é lento e centra-se nas lembranças da protagonista/narradora.
Phédre tem um nome amaldiçoado - de facto, o nome remete automaticamente à Fedra grega e à sua dramática história com Teseu e Hipólito (ver AQUI!) - e para além disso tem uma pinta escarlate no olho esquerdo que a diferencia de toda a gente; ela é uma anguissette.
A Terre d'Ange rege-se por uma sociedade inspirada em Eluah, e na sua fiel companheira das tormentas Namah (note-se também a semelhança dos precedentes de Eluah com a história de Jesus crucificado). Eluah tinha a seu lado anjos que o protegiam da ira do Deus Uno. As casas de Terre d'Ange são descendentes dos anjos e do respetivo Eluah e Namah.  Entre esses anjos salientam-se Cassiel e Kushiel, uma vez que a protagonista foi tocada por Kushiel, a inimiga é descendente do mesmo e mais tarde conhecemos uma personagem magnifica que serve a casa de Cassiel.
Como Namah que se deitou com homens para garantir a sobrevivência de Eluah, muitas são as mulheres que crescem para lhe seguir o exemplo, ganhando dinheiro dos seus patronos para tatuar a marca que as elevará a seguidoras de Namah livres.
Phédre, marcada por Kushiel e denominada por anguissette pela elite, recai para o sadomasoquismo, não conseguindo a sua natureza separar a dor do prazer.
É na casa de Delaunay que se instrui na arte de Namah e é através do próprio erudito Delaunay que apreende ensinamentos que a tornarão uma inimiga ao nível da teia de conspirações que a emaranha.
Este primeiro volume foi dividido em dois na língua portuguesa, logo estamos perante um início excessivamente informativo que pode baralhar quanto à quantidade de personagens e nomes referidos.
Não será um livro para todos os gostos e não agradará da mesma forma a todos os géneros de leitores. 
"O dardo de Kushiel" é detentor de uma violência sexual enorme e de uma linha de pensamento estranha aos olhos do século XXI. Contudo, é dotado de uma qualidade literária indiscutível e de uma rede de intrigas, que uma vez dentro do prol de personagens, se avizinha apaixonante.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue