Pesquisar neste blogue

sábado, 9 de outubro de 2010

Marcada - P.C.Cast + Kristin Cast

Sinopse:
Zoey Redbird tem 16 anos e vive num mundo igual ao nosso, com uma única excepção: os vampyros não só existem como são tolerados. Os humanos que os vampyros "marcam" como especiais entram na Casa da Noite, uma escola onde se vão transformar em vampyros ou, se o corpo o rejeitar, morrer. Para Zoey, apesar do medo inicial, ser marcada é uma verdadeira bênção. É que ela nunca encaixou no mundo normal e sempre sentiu que estava destinada a algo mais. Mas mesmo na nova escola a jovem sente-se diferente dos outros: é que a marca que a Deusa Nyx lhe fez é especial, mostrando que os seus poderes são muito fortes para alguém tão jovem. Na Escola da Noite, Zoey acaba por encontrar amizade e amor, mas também mentira e inveja. Afinal, nem tudo está bem no mundo dos vampyros e os problemas que pensava ter deixado para trás não se comparam aos desafios que tem pela frente.

Opinião:

Só depois de postar todas as reviews dos livros da casa da noite editados em Portugal é que me apercebi que o primeiro livro não constava.

Ao contrário do "amor" que transmito por esta série nas minhas criticas aos volumes mais recentes, o início foi catastrófico. Na altura que conheci o "marcada" tinha terminado de ler a saga twilight e como podem prever, a minha primeira impressão com estes novos vampiros não foi de todo simpatizante.
Em primeiro lugar odiei o facto de vampiro se escrever com "y" nesta série (vampyro), em segundo lugar a ligação da protagonista com a deusa Nix aborrecia-me e em último lugar, as tatuagens que eram características de vampiros adultos achava-as ridiculas.
Contudo, no final da obra algo me despertou interesse para dar uma nova oportunidade à saga e ainda bem que o fiz pois neste momento é sem dúvida uma das (poucas) séries preferidas que segurei até ao final.
Um ponto negativo que continuo a apontar na narrativa, mesmo nos livros seguintes, é a banalidade dos diálogos. O uso exacerbado de calão rude corta a solidez e a seriedade à história. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue