Pesquisar neste blogue

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

O desejo - Alexandra Bullen

SINOPSE: Para a infeliz Olivia Larsen nada pode alterar o facto de que a sua irmã gémea, Violet, morreu... Vive angustiada e isolada e um dia as suas incursões levam-na a uma velha loja onde uma misteriosa costureira lhe oferece um vestido dizendo-lhe que é mágico e que lhe pode conceder um desejo. Céptica, Olívia veste o vestido e pede a única coisa que deseja, que Violet volte. 
Com Violet de novo ao seu lado, ambas têm uma segunda oportunidade na vida. Mas nem tudo é o que parece, como em breve descobrem… Por insistência de Violet, voltam à loja e obtêm mais dois vestidos - e mais dois desejos. Mas a magia não pode resolver tudo e Olivia é obrigada a confrontar os seus fantasmas para aprender a rir, amar e viver outra vez. 

OPINIÃO: Gostavam de ter 3 desejos?
Quem não gostava?
Olivia não acreditava que os tinha e o seu primeiro desejo saiu do coração. 
O problema é que Olivia só tinha realmente um desejo, que a sua irmã gémea, Violet, voltasse para junto dela. Os outros? Nada mais importava, desde que pudesse ouvir Violet outra vez.
O "Desejo" é mais do que um livro de adolescentes, apesar de contar com os seus dramas típicos. É muito mais do que uma história sobre desejos concedidos por via da magia. É uma história de saudade, luto e da incapacidade de continuar em frente, face à perda de um ente querido. 
Como voltar a viver sem a nossa outra metade? Era isso que Violet era, a outra metade de Olivia. A metade mais sociável, mais aventureira, mais extrovertida. 
Olivia tem de aprender a sobreviver por si mesma no terrível mundo dos adolescentes, numa cidade que traz consigo lembranças da infância de ambas.

O livro está escrito com uma linguagem fácil e acessível. 
O mundo dos jovens está tipicamente retratado, assim como os traços de personalidade das personagens. Porém, não deixa de abordar temas profundos e dificeis de digerir.
Gostei da mistura de drama e fantasia e recomendo como uma leitura leve, mas que também faz pensar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue