Pesquisar neste blogue

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Um momento de irritação

Não tenho nada contra o pessoal de Lisboa e nestes casos até os invejo, mas costuma-se dizer que à terceira é de vez e não consigo deixar de mencionar este meu desagrado.

Ainda este ano tive o prazer de conhecer o George R.R.Martin, isto porque a Saída de Emergência sabe que Portugal não é apenas Lisboa e trouxe-o ao Porto, a capital do Norte.

Porém, parece que outras editoras - a quem compro anualmente pequenas fortunas - não pensam nisto e, depois de Alyson Noel, foi a vez de E.L.James cingir-se a apenas uma apresentação na capital!

Isto verifica-se pelas artes em geral, como por exemplo no teatro.
Sabiam que Braga tem um esplêndido teatro?
Sabiam que temos Fnac, temos Bertrands, temos parque de exposição, temos capacidade para receber pessoas?

Já me contentaria se tivessem o respeito pelos leitores do Norte e usassem as instalações do Porto.

Está aqui mais um motivo do nosso país não evoluir. Ou fazemos todos as malas para Lisboa, e despovoamos o resto do país, ou ficamos a ver tudo à base de fotos e vídeos.

Lisboa é Lisboa e o resto é paisagem. Bah!
Mentalidades....

Fico cá com um Fastio! (Expressão bem à Norte!!)


4 comentários:

  1. Oi. Concordo contigo (isto vindo de uma lisboeta que vive no Porto).

    Infeizmente há muita coisa que ainda se realiza apenas em Lisboa....

    Beijinhos , Ana

    ResponderEliminar
  2. é por isso que eu digo um concerto em Lisboa fica smp no minimo por 60€ nem que a entrada seja de graça... É uma injustiça e uma tremenda falta de consideração sobre as pessoas do norte que gostam tanto ou mais de arte e cultura do que os Lisboetas.

    ResponderEliminar
  3. Olá Andreia,
    Sabes para mim o Porto já é a sul, concordo ctg, também não gosto desta bipolarização por isso de mim Porto e Lisboa não levam tostão.
    Mas no final por mais que nos custe temos que lhes dar razão ;), mas podemos lutar.

    ResponderEliminar
  4. Lisboa. Porto... Para mim acaba por ir tudo dar ao mesmo. Quem é que trazem ao Alentejo? Quem é que levam a Trás-os-Montes? Ninguém. Estou lá eu (em ambos) e outras centenas de pessoas que acabam por nunca ter estas (e outras) oportunidades.

    ResponderEliminar

Arquivo do blogue