Próximos

Andreia's to-read book montage

O Principezinho
O Despertar das Trevas
A Breve Segunda Vida de Bree Tanner
Paris, 1850
México, 1850 (O Crepúsculo dos Vampiros, #3)
A Praga
O Assassinato de Roger Ackroyd
O Beijo das Sombras
Sangue de Anjo
Damon, Almas Sombrias
Crescendo
Paranormalidade
Orgulho e Preconceito
Queimada
Senhores da Noite
Reunião Sangrenta
O Décimo Terceiro Poder
O Abismo
O Vampiro
Bruxa e Detetive


Andreia's favorite books »
}

Pesquisar neste blogue

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Demência - Célia Correia Loureiro

SINOPSE: No seio de uma aldeia beirã, Olímpia Vieira começa a sofrer os sintomas de uma demência que ameaça levar-lhe a memória aos poucos. A única pessoa que lhe ocorre chamar para assisti-la é a sua nora viúva, Letícia. Mas Letícia, que se faz acompanhar das duas filhas, tem um passado de sobrevivência que a levou a cometer um crime do qual apenas a justiça a absolveu. 

Perante a censura dos aldeões, outrora seus vizinhos e amigos, e a confusão mental da sogra, Letícia tenta refazer-se de tudo o que perdeu e dos erros que foi obrigada a cometer por amor às 
filhas. O passado é evocado quando Sebastião, amigo de infância de Olímpia, surge para ampará-la e Gabriel, protagonista da vida paralela que Letícia gostaria de ter vivido, dá um passo à frente e assume o seu papel de padrinho e protector daquelas três figuras solitárias…


OPINIÃO: Quando há talento há!
Conhecem aquela sensação de ansiedade no estômago depois de se ler um bom livro? Imagens do mesmo a passarem constantemente na mente e aquela palavra repetida vezes sem conta: "Fantástico!"
Quando comecei a ler este livro nunca pensei que me depararia com tamanha intensidade de acontecimentos. A escrita é profunda e leva-nos até ao patamar mais intimo e sombrio das personagens fazendo-nos idealizar as condições de vida com que se deparam.
Estou maravilhada com a capacidade de Célia em vasculhar os demónios da sociedade rural (que facilmente se estenderia a todos) e na forma como estes são expostos numa história de tirar a respiração de tanta é a indignação que transmite.
Letícia e Olímpia são os dois rostos desta narrativa. Os problemas que enfrentam estão de acordo com as idades, estando Olímpia a sofrer de Alzheimer e Leticia a ser vitima de calúnias por ter assassinado o marido em legitima defesa. Sendo Olímpia mãe de Fernando, o falecido marido de Leticia, é de prever que a relação de ambas é muito hostil. Contudo, a perda de memória da idosa traz momentos oscilantes nas interações dependendo do que Olímpia se recorda ou não.
A noção desta doença neurológica é simplesmente assustadora. Remete o leitor a uma piedade e receio por ser um monstro tão real. As tentativas vãs de Olímpia compensar a sua memória são enternecedoras e revoltantes.
Também digna de piedade, porém com um lado mais determinado, está Leticia. O bullying que sofre por parte das pessoas da aldeia, assim como os seus dois anjinhos - as filhas - , dá vontade de interferir e ajudar estas três almas.
As escolhas de vida são a criação do enredo, isto porque, por outro lado, temos as vidas paralelas das duas protagonistas com homens diferentes que lhes teriam proporcionado vivências totalmente diferentes e poupado às resignações às quais se viram forçadas. Sebastião partilha a história de uma Olímpia jovem, determinada e também ela sofredora às mãos do sexo masculino e Gabriel... este vou deixar-vos descobrir por vós uma vez que é a minha personagem preferida e reserva surpresas que vos agarrarão ainda mais a este livro.
As filhas de Leticia estão muito bem construídas apesar de Maria me parecer demasiado infantil nos seus diálogos para a idade atribuída. Luz, a mais velha, poderia ter sido mais explorada. O mistério que envolve a personalidade desta criança não nutre os frutos que esperava. Por fim, como nem tudo pode ser bom, só tenho a apontar o fato de Leticia ter sido absolvida pela justiça pelo crime que cometeu. Em Portugal tal não acontece desta forma e ela nunca poderia vir a arranjar emprego como professora com o historial de assassina, seja em legitima defesa ou não. Mas em suma, é verdade que o que lemos é tão real, tão real que parece mesmo palpável, mas é uma obra de ficção logo deve ser lida como tal.
A Célia vem provar o que tenho vindo a dizer de que temos autores portugueses que superam de longe muita tradução e que não é preciso ter 60 anos para escrever obras com maturidade e profundidade.
Podia alongar-me muito mais, "Demência" tinha panos para uma crítica que referenciaria personagens tipo, ambientes em relação com sentimentos/personagens, presságios e algum fatalismo, mas como estamos num blogue e críticas gigantes são para serem passadas à frente por falta de tempo ou paciência, deixo-vos com estas palavras que não chegam para a mostrar a surpresa que tive ao ler este fantástico livro.
Aconselho mesmo!

2 comentários:

  1. Também me surpreendeu muito este livro e aconselho vivamente a sua leitura. http://otempoentreosmeuslivros.blogspot.com/search/label/C%C3%A9lia%20Correia%20Loureiro
    Bjs
    cris

    ResponderEliminar
  2. http://oslivrosnossos.blogspot.pt/

    Uma obra de excelência, recomendamos a sua leitura e comungamos da opinião favorável de outros leitores e bloggers.

    ResponderEliminar

Arquivo do blogue